Perfil

Sou Mario Covas Neto, tenho 59 anos, advogado formado pelo Mackenzie. Ingressei no universo da política ainda menino por conta das atividades de meu pai. Ele vivia a política com muita intensidade e seriedade, então fui aprendendo do jeito dele o significado de “coisa pública” e de “homem público”.

Meu pai defendia que as instituições só existem, afinal, porque foram criadas por homens e mulheres com espirito público e só funcionam se forem por eles legitimadas e implementadas. Para ele, o interesse público precisa estar acima das divergências partidárias e pessoas, e ser considerado com transparência e honestidade.

Minha visão de Legislativo se apoia nesses princípios. Um trabalho coletivo que exige determinação, compromisso e coragem. Meu pai, sem dúvida, é o meu maior exemplo nesse aspecto. Era reconhecidamente uma personalidade forte, destemida e de grandes convicções. Enfrentava qualquer tipo de situação com muito vigor. Para mim, coragem é um pré-requisito para se fazer política. Coragem de se posicionar, sobretudo na adversidade.

Tenho muito orgulho de ser filho do meu pai, acho que ele é um ícone mesmo. Seu legado é importante como balizador, inclusive eleitoralmente, porque me permitiu eleger. Mas não me considero dono de herança nenhuma. Os princípios que norteiam a minha vida, norteiam a de tantas outras pessoas. Aliás, observe-se, muito desses valores eu assimilei dentro de casa, onde minha mãe, Lila, se sobressaia como principal liderança política, tal a sua habilidade na gestão dos assuntos da família.

Quando ela e meu pai tinham alguma desavença, se os filhos tomassem partido na discussão, imediatamente eles se uniam contra o filho. Era algo surpreendente como conseguiam fazer isso com naturalidade. No final, a gente até ajudava na reconciliação. Ela sempre resolvia as coisas com incrível sabedoria. Era uma parceira de todas as horas.

Minha mãe dava ao meu pai a tranquilidade necessária para exercer suas tarefas, sem cobranças, por exemplo, na divisão de tempo com a família. Tinha uma profunda admiração em relação ao trabalho do meu pai. Compreendia a importância daquela atividade. Não como fator de prestigio pessoal, mas em um sentido cívico mesmo, de reconhecimento do valor daquela representação para o país e para a sociedade.

Confesso que já cheguei a pensar se talvez a melhor circunstância para concorrer à vida pública fosse com meu pai ainda vivo ou logo após a sua morte. De verdade, eu não tinha qualquer ambição política ou intuito de me aproveitar de situações que me pareciam claramente apelativas. Mas tudo tem seu tempo, e agora me sinto realmente maduro para um desafio político maior.

Minha jornada como vereador se revelou uma sucessão de aprendizados importantes. Acumulei experiências em atividades parlamentares, aprendi como as coisas funcionam, me aproximei mais ainda do dia a dia dos cidadãos, produzi ações em nível municipal que bem podem ser amplificadas ou aproveitadas como inspiração para meus projetos no Senado.

 

Não tenho dúvidas. Precisamos deixar de ser o país do amanhã e nos afirmar como o país do presente. A indignação popular com a política e com os políticos decorre da má qualidade da representação, do sentimento de orfandade da população em relação a quem deveria defendê-la. E com toda a razão, porque alguns não querem que isso mude. As desigualdades sociais continuam a nossa tragédia. Mas essa mudança precisa acontecer.

Eu vou lutar para realizar as transformações que façam a diferença na vida das pessoas. Não é uma tarefa simples, de um único senador ou deputado. Depende de um conjunto de esforços numa mesma direção. Quanto mais fiscalização e pressão da sociedade, mais possível de acontecer. Entendo todo processo eleitoral como uma grande oportunidade para população mostrar o caminho que quer seguir. As urnas sempre dão o recado à classe política.

Para que serve um representante parlamentar? Na minha opinião, só serve se conseguir fazer a diferença para seus representados. Cumprir o pacto realizado com seu povo, ser porta-voz inequívoco de seus interesses e fazer cumprir seus sonhos de cidadania.

Desse ponto de vista, me apresento como uma alternativa viável e necessária para renovar a representação paulista no senado federal, pois além de experiência, conduta ética e visão, São Paulo precisa de porta-vozes que defendam com propriedade ações em saúde, educação, segurança, meio-ambiente, emprego e renda, e outras demandas de grande relevância.

Tenho consciência da dimensão da minha responsabilidade em relação a esse projeto, que supõe a luta incessante pelo desenvolvimento do nosso estado, pela dignidade do seu povo, pela redução das desigualdades sociais.

Todos os meus esforços estarão dedicados a fazer por merecer a confiança depositada pelos paulistas na minha candidatura. Conto com você.